* A FÉ QUE BROTA DA HUMILDADE

2421772-148757-1280

O centurião que não quis receber Jesus em sua casa ganhou um elogio do Senhor; assim, afirmou o Mestre: “nem mesmo em Israel achei fé como esta” (Lucas 7.9).

Sua fé foi apreciada por Cristo porque estava baseada numa clara consciência de sua realidade espiritual. Os judeus insistiram em que Jesus atendesse ao apelo do comandante militar porque o consideravam digno de tal favor. Já, o próprio centurião disse de si mesmo: “não sou digno de que entres em minha casa” (Lucas 7.6). E acrescentou: “não me julguei digno de ir ter contigo” (Lucas 7.7).
O centurião sabia que, por mais esforçado que fosse, ele não era merecedor do favor divino. Sua fé compreendia que Jesus não tinha a menor obrigação de atendê-lo. Ele almejava ser objeto do amor e da graça de Deus.

Há quem pense de modo diferente. Há pessoas que imaginam ter granjeado tamanha intimidade com Deus que podem exigir determinadas regalias, porque afinal têm uma grande fé. O exercício da fé que torna possível o deslocamento das montanhas não pode ser dissociado do pensamento paulino que diz: “quando sou fraco, então, é que sou forte” (II Coríntios 12.10). A grande fé é a que brota de um coração humilde, muitas vezes, silente, e que atribui em tudo glória a Deus.

Jesus elogiou a fé que centurião tinha porque ela lhe dava consciência de que era um homem de lábios impuros, habitando no meio de um povo de impuros lábios, vislumbrando o Senhor dos Exércitos (Isaías 6.5). Não fosse a misericórdia de Deus purificando-o e perdoando-o (Isaías 6.6) e ele não veria a alva do dia (Lamentações 3.22).

Certamente, Jesus elogiou o centurião por sua fé, porque ela não se restringia a uma experiência para consumo pessoal. Neste particular, o comandante da centúria revelou sua preocupação com o próximo; ele estava interessado na saúde de seu serviçal, a quem ele estimava (Lucas 7.2).

Ter muita fé não significa ter muita comunhão com Deus em detrimento do próximo. Significa amar muito a Deus e ao próximo, a quem Deus ama, também.

As aparências enganam. De repente, nos deparamos com este discurso do centurião: “eu sou uma autoridade e quando eu dou uma ordem ela é obedecida” (Lucas 7.8). Não nos deixemos enganar pela aparência. O centurião não está cobrando nada de Jesus; ele está, apenas, reconhecendo a autoridade de Cristo. Em outras palavras ele está confessando: “Senhor, eu sei o que é autoridade e sei que a tua autoridade é soberana; sei que a tua Palavra é poder e o que o Senhor disser será feito”.

A fé elogiável não é aquela que determina o que Deus deve fazer, mas é aquela que faz o que Deus determina que seja feito, que confia e obedece ao mandar divino.

Juarez Marcondes Filho, em “O APRENDIZADO DA ESPERANÇA”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s