* ABATIDO E FIRME

Preparam armadilhas para os meus pés; fiquei muito abatido. (Sl 57.6.)

O abatimento é uma experiência muito desagradável. Sobretudo quando não estamos acostumados com ele, quando é uma novidade para nós. É disso que se queixa o salmista: “Fiquei muito abatido” (Sl 57.6). Ele não estava abatido até que tomou conhecimento de uma investida da parte dos que não o queriam bem. De um degrau mais alto desceu para um degrau mais baixo. De uma situação mais confortável desceu para uma situação menos confortável. De uma condição de ânimo desceu para uma condição de desânimo. A queda afetou a saúde espiritual, a saúde emocional e a saúde física. Trouxe algum transtorno para o homem todo.

Essa não é a primeira nem a última vez que o salmista passa por esse desconforto. Ele já havia confessado: “Estou encurvado e muitíssimo abatido” (Sl 38.6). Já havia se questionado: “Por que você está assim tão triste, ó minha alma?” (Sl 42.5, 11; 43.5).

Naturalmente há muitos graus de abatimento, do brando ao pavoroso. A durabilidade também varia muito, daquele minutinho de desânimo ao desânimo crônico. O abatimento tem sinônimos leves (desalento, desânimo) e sinônimos assustadores (depressão).

No caso em foco, o salmista soube lidar com a má notícia e com o transtorno que ela causou. De tal modo que, no mesmo poema, ele declara não só o seu abatimento (“Fiquei muito abatido”), mas também a sua firmeza (“Meu coração está firme, ó Deus”). Uma afirmação segue a outra.

Retirado de Refeições Diárias com o Sabor dos Salmo

* NOVA CRIAÇÃO

Muitos Cristãos vêem sua conversão como um lava jato. Você entra como um sujo sucateado e sai com seus pecados lavados – um sucateado limpo. Mas, a conversão é mais que a remoção de pecado. É um depósito de poder. É como se um motor de uma Ferrari fosse implantado em seu carro. Deus tirou o velho motor, coberto e rachado com rebelião e maldade, e o trocou por uma versão acelerada e rugindo dele mesmo.

O Apóstolo Paulo descreveu isto como sendo “nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas” (2 Coríntios 5:17). Você está equipado plenamente. Você precisa de mais energia? Você tem. Mais bondade? É sua.

Hebreus 13:21 promete que Deus “os aperfeiçoe em todo o bem para fazerem a vontade dele”. É só pisar no acelerador. Deus lhe deu tudo que você precisa para viver uma vida santa!

MAX  LUCADO

* VOCÊ CONSEGUE!

Está na hora de declarar guerra contra a peste chamada “Eu não consigo”. Ela ataca nosso auto-controle com “eu não consigo manter um emprego” e ataca nossos casamentos com “eu não consigo perdoar”. Ela ataca até a nossa fé com “eu não consigo acreditar que Deus me ama.

 

Se Josué tivesse murmurado estas palavras quem o teria culpado? Josué 1:1 começa com más notícias, “Meu servo Moisés está morto”. Perder Moisés era perder a causa. Imagine o desânimo, a angústia, o medo! E no entanto, Deus disse a Josué “Moisés está morto. Agora, pois, você e todo este povo preparem- se para atravessar o rio Jordão e entrar na terra que eu estou para dar aos israelitas.” Moisés pode estar morto, mas Deus está vivo! Mesmo assim, Josué tinha motivos para dizer “não consigo”. Moisés estava morto. E o povo de Canaã comiam pessoas como os Israelitas para o café da manhã! Mas, Josué nunca declarou a derrota. Deus lhe deu motivos para crer. A vitória era certa, porque a vitória era de Deus! O mesmo é verdade para você.

MAX LUCADO

* TOMEM O JUGO LEVE

Vocês estão cansados, enfastiados de relGOigião? Venham a mim! Andem comigo e irão recuperar a vida. Vou ensiná-los a ter descanso verdadeiro. Caminhem e trabalhem comigo! Observem como eu faço! Aprendam os ritmos livres da graça! Não vou impor a vocês nada que seja muito pesado ou complicado demais. Sejam meus companheiros e aprenderão a viver com liberdade e leveza. (Mateus 11.28-30)

O dia está repleto de possibilidades. A ordem de Jesus desperta-nos de uma timidez sonolenta. Ele não nos pede para ir ao mundo e conquistá-lo, mas nos chama a carregar o jugo com ele. Ele não nos pede para fazer algo que não promete fazer conosco. O convite para estarmos com ele é maior do que a ordem que nos envia ao mundo.

Como funciona o jugo de Jesus em sua vida?

“Vinde a mim, vós, cansados, e eu vos darei descanso. Ó bendita voz de Jesus, que vem aos corações oprimidos! Ela fala de bênção, de perdão, de graça e de paz, da alegria que não tem fim, do amor que não pode cessar.” Amém.

Retirado de Um Ano com Jesus [Eugene H. Peterson]

* CONFIANDO CONTINUAMENTE

Salmos 27:3 – Ainda que um exército me cercasse, o meu coração não temeria; ainda que a guerra se levantasse contra mim, nisto confiaria.

Confiar em bons resultados, quando tudo ao redor parece ajudar, é coisa muito fácil, sem grandes envolvimentos. A experiência do rei Davi com o seu Deus lhe ensinou uma postura inusitada: “Ainda que um exército inteiro me cerque, não terei medo. Inda que os meus inimigos me ataquem, continuarei confiando em Deus” (Salmo 27:3).

O verbo usado pelo salmista – “continuarei confiando” – revela a continuidade de sua experiência. Ele não escreveu –“começarei a confiar”. “Continuar” significa que já houve, no passado de experiências, situações de dificuldade nas quais Davi decidiu confiar no seu Deus, ao invés de no seu exército. Neste passado, apesar da força e da quantidade dos inimigos, depender do poder de Deus garantiu os resultados construtivos de vitórias. Por causa disso, o salmista raciocinou: se o Senhor já me salvou, não há razão para Ele deixar de me salvar.

Testar as promessas de Deus em nossa vida cristã é o caminho da vitória e do bem-estar espiritual. No verso 10, o salmo declara: “Ainda que meu pai e minha mãe me abandonem, o Senhor cuidará de mim”. Deixar de confiar na providência divina é mais inpensável e absurdo do que achar que pais amoráveis tenham a coragem de abandonar seu próprio filho. Vale a pena testar o poder de Deus em nossa vida. E vale muito a pena o continuar a confiar neste poderoso Senhor.

DEVOCIONAL AMOR EM CRISTO

* DOMINADOS PELA FÉ

João 14:27 – Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.

A hora da condenação e morte de Jesus estava se aproximando. Por isso, o Mestre achou por bem preparar espiritualmente Seus discípulos. “Deixo com vocês a paz. É a Minha paz que Eu lhes dou?: não lhes dou a paz como o mundo a dá. Não fiquem aflitos, nem tenham medo” (João 14:27).

Jesus já sabia a intensidade do sofrimento dos Seus discípulos, no decorrer de Seu ministério terreno. Eles seriam agredidos pelo susto, pela incompreensão, pela maldade, pela injustiça deste mundo. No mínimo, teriam a reação do medo. A natureza humana dos discípulos de então é a mesma natureza de nós discípulos, nos dias de hoje. Continuamos a ser agredidos pelas forças do mal, permitidas por Deus. O poder da maldade que nos cerca continua criando em nós a conduta do medo.

Por que Jesus nos garante a Sua paz? Porque é a única realidade espiritual capaz de sobrepujar os estragos no nosso medo. É importante frisar: o que nos liberta da tragédia espiritual instilada pelo mundo não é nossa coragem – é assimilar e ser invadido pela paz construtiva do Espírito de Cristo. Não permitamos que o medo nos imobilize. Permitamos, pela fé, que o poder da paz de Cristo nos domine.

DEVOCIONAL  AMOR  EM CRISTO

* APELO

Salmos 50:15 – E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás.

A família de Asafe escreveu um salmo muito descritivo de nossa vida espiritual. “E invoca-Me no dia da angústia? Eu te livrarei e tu Me glorificarás” (Salmo 50:15).

A Bíblia garante duas realidades, em nossa vida diária. De um lado, ela declara a existência da angústia. Do outro lado, ela nos ensina que Deus nos livra da angústia. O sentimento da angústia não é uma experiência superficial. Ele não é uma reação imatura, diante de problemas banais. A angústia vai sendo construída, à media que os problemas aumentam. Quando nada mais faz sentido em nossa vida, sentimo-nos imobilizados pela ideia de que “não tem saída”, de que “não adianta mais lutar”.

É o próprio Senhor Quem se apresenta como solução da angústia. Ele afirmou – “Eu te livrarei”. A intervenção do Senhor, entretanto, não é uma coisa imposta por Ele. Ela deve ser precedida, angustiosamente, por um profundo ato de fé: “invocai-Me”. Clamar pela intervenção divina, para muitos de nós, cheira à postura de entregar os pontos: “agora, a única saída é Deus…”. Só que é isso mesmo que a Bíblia nos ensina: Deus é a única saída. Deus entende a nossa angústia. A história do cristianismo nos apresenta uma lista infindável de angustiados que apelaram para o Senhor. E que, pela fé, ousaram pedir a intervenção de Deus. É deles a voz do imponente coral que, agradecido, glorifica o Senhor!

DEVOCIONAL AMOR EM CRISTO