O ATO MAIS RESPONSÁVEL

Reitero a importância de deixarmos tudo com Deus porque Ele é totalmente e absolutamente confiável e fiel. Finalmente eu estou aprendendo isto; não se trata mais de alguma coisa que eu verbalizo num púlpito ou escrevo num livro.

Finalmente eu estou aprendendo que o Seu plano soberano é o melhor plano; que seja o que for que eu confie a Ele, Ele tomará conta e fará melhor do que eu; que, sob o Seu controle, nada ficará fora de controle; que tudo o que necessito é do Seu conhecimento, em todos os detalhes; que Ele tem o poder de suprir, de guiar, de começar, de terminar, de sustentar, de mudar, de criar e de corrigir minha vida a Seu tempo e para os Seus propósitos.

Quando eu não interfiro e faço as coisas por conta própria, a Sua vontade é realizada, o Seu Nome é exaltado, e a Sua glória é magnificada. Por que foi necessário tanto tempo para que eu entendesse essas coisas é um mistério. O fato de Ele me ter permitido viver o suficiente para ver isso com clareza e poder abraçar essas coisas de todo o meu coração, é um testemunho da Sua graça.

Finalmente estou aprendendo que ao render-me ao meu soberano Senhor, deixando os detalhes do meu futuro em Suas mãos, estou praticando o ato de obediência mais responsável que eu poderia praticar. E enquanto eu não fizer isso, tornar-me uma pessoa não superficial continuará sendo nada mais do que um sonho distante.

Charles Swindoll, em “INTIMIDADE COM O TODO PODEROSO”

Anúncios

O CARVALHO E O COGUMELO

A Bíblia e cheia de exemplos de como DEUS usa longos processos para desenvolver o caráter, especialmente nos líderes. ELE levou 80 anos para preparar Moisés, incluindo 40 anos no deserto. Por 14 600 dias ficou esperando e matutando; “Será que está na hora?”. Mas DEUS continuava dizendo: “Ainda não”.

Quando DEUS quer fazer um cogumelo, ELE o faz da noite para o dia; mas quando quer fazer um carvalho gigante, leva 100 anos. Tenha paciência com o processo. Tiago aconselhou: “Não tentem se desviar de nada prematuramente. Deixem as coisas acontecerem, para que vocês se tornem maduros.” Tg 1:4

Quando Habacuque ficou deprimido porque DEUS não estava agindo rápido o suficiente, DEUS lhe disse: “Essas coisas que planejei não acontecerão imediatamente. Devagar, firmemente vai se aproximando o tempo em que a visão será cumprida. Se parecer demorar muito, não se desespere, porque tudo vai acontecer mesmo! Seja paciente! O cumprimento dessa promessa não chegará nem um dia atrasado” Hc 2:3. A demora não é uma negativa de DEUS.

Rick Warren, em “UMA VIDA COM PROPÓSITOS”

PRINCIPAL INGREDIENTE

“ESPERA” é uma palavra que sempre consideramos aqui porque ESPERAR faz parte da trajetória dos que andam com JESUS; a espera é o ingrediente principal das lutas que travamos para a GLÓRIA DE DEUS.

ESPERAMOS o agir do SENHOR.

ESPERAMOS apesar dos fatos.

ESPERAMOS para além dos fatos.

ESPERAMOS em detrimento das circunstâncias desfavoráveis e humanamente inalteráveis.

ESPERAMOS curvados aos PÉS DO PAI – isso é orAÇÃO.

ESPERAR é louvar a DEUS. Nosso louvor não deve ser apenas uma oração num momento do dia. NOSSA VIDA tem que ser um louvor, isso é LOUVOR-VIVO. Temos que louvá-LO em cada palavra pronunciada, em cada gesto realizado e em cada atitude tomada.

ESPERAR é contar com o auxílio de DEUS; é repousar na confiança do AMOR, da sabedoria, da misericórdia do SENHOR. A filosofia do mundo recomenda a ação e o movimento como atitudes de coragem, valentia e determinação. Pobre mundo! Coragem, valentia e determinação reais se encontram na ESPERA EM DEUS. É preciso muita coragem para abrir mão das “verdades” do tipo: “corra atrás dos seus sonhos”, “você é quem constrói seu destino”, “sua vida está em suas mãos”. Tudo isso é engano absoluto, não temos controle sobre NADA; seu coração pode parar no próximo minuto! Tudo que te parece sólido pode desabar amanhã. Valentia verdadeira é brecar a ansiedade, a auto-suficiência e ESPERAR NO AGIR DO PAI.

Dessa forma, a ESPERA pela realização dos sonhos, dos planos e das promessas de DEUS é um LOUVOR magnífico que detona o inferno e traz para a Terra o REINO DOS CÉUS.

Portanto, diz O PAI que honra a nossa orAÇÃO:

“Sede fortes e revigores o vosso coração, vós todos que ESPERAIS no SENHOR.” Sl 31

Neuma Fernandes

CONFIANÇA NO PAI

Na hora de tentar libertar um cão de uma armadilha, extrair um espinho do dedo de uma criança ou salvar de um afogamento alguém que não sabe nadar, o único obstáculo fatal talvez seja a desconfiança deles. Pedimos que confiem em nós desafiando seus sentidos, sua imaginação e sua inteligência. Estamos pedindo que creiam que o que é doloroso aliviará seu sofrimento e o que parece perigoso, é sua única salvação.

Pedimos que aceitem aparentes impossibilidades: que mover a pata de volta para uma armadilha é a única maneira de sair, que machucar mais o dedo acabará com a dor, que a água resistirá e suportará o corpo. Para explicar todas essas incredulidades, podemos contar apenas com a confiança do outro em nós, uma confiança sem fundamentos aparentes, claramente prejudicada pela emoção.

Às vezes, por causa da incredulidade, não conseguimos grande coisa. Mas, se tivermos sucesso, será porque confiaram em nós contra todas as evidências. Ora, nos momentos difíceis da vida precisamos acreditar que, para DEUS, nós somos o que o cão, a criança e o banhista foram para nós, mas em grau muito maior.

C. S. Lewis, em “CRISTIANISMO PURO E SIMPLES”

O DEUS COMOVIDO

A hospitalidade durante a festa de casamento era uma tarefa sagrada…A presença do vinho declarava que aquele era um dia especial e que todos os convidados eram especiais. Portanto, a falta do vinho era um embaraço social.

Maria, a mãe de JESUS, é uma das primeiras a notar que o vinho tinha acabado. Ela chega perto do seu filho e relata o problema. A resposta de Jesus: “Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.”

Aí estão aquelas palavras de novo. “Minha hora”. JESUS está ciente do plano. Ele tem um lugar e um momento para executar seu primeiro milagre. E aquela não era a hora.

Nesse nstante, O Comitê Angelical de Milagres do Messias dá um suspiro coletivo de alívio.

– Ual, por um minuto pensei que ELE estragaria tudo.

– Eu também, você pode imaginar JESUS inaugurando seu ministério com um milagre de transformar água em vinho?

– É isso ai, JESUS, diga não, siga o plano!

JESUS sabe qual é o plano. Num primeiro momento parece que vai cumpri-lo à risca. Entretanto, quando olha para sua mãe e para o rosto do anfitrião, ELE reconsidera. A importância do plano é  vagarosamente eclipsado por sua preocupação pelas pessoas . O momento certo é importante, mas, as pessoas são mais importantes ainda.

Como resultado, JESUS muda seu plano para satisfazer as necessidades de alguns amigos. Incrível. A agenda do céu é alterada para que alguns amigos não fiquem numa situação ruim perante a sociedade. O primeiro milagre é motivado não por uma tragédia, pela fome, mas pela preocupação com amigos que estão em apuros.

(…)

Se alguma coisa é importante para você, que O ama de todo coração, é importante para ELE também.

Max Lucado, em “ELE AINDA REMOVE PEDRAS”

NÃO TEMOS QUE ENTENDER, APENAS CRER

“Não te disse eu que se creres verás a glória de Deus?” Jo 11:40

Maria e Marta não podiam entender o que o seu Senhor estava fazendo. Ambas lhe disseram: “Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.” Parece que atrás de tudo isto podemos ler os seus pensamentos: “Senhor, nós não entendemos por que demoraste tanto para vir. Não entendemos como deixaste morrer aquele a quem amavas. Não entendemos como pudeste deixar que a dor e o sofrimento rasgassem nossa vida, quando a Tua presença poderia ter impedido tudo isto. Por que não vieste antes? Agora é tarde, pois ele já está morto há quatro dias!” E para tudo isto o Senhor Jesus tinha apenas uma grande resposta: “Vocês podem não entender, mas eu não lhes disse que se crerem, verão?”

Abraão não podia entender por que Deus lhe pedia o sacrifício do filho, mas confiou. E viu a glória de Deus na restituição dele ao seu amor. Moisés não conseguia entender por que Deus o retinha em Midiã aqueles quarenta anos, mas confiou, e viu, quando Deus o chamou para tirar a Israel da servidão. José não podia entender a crueldade de seus irmãos, o falso testemunho de uma mulher e os longos anos de uma reclusão injusta; mas confiou, e por fim viu a glória de Deus em tudo o que se passou. Jacó não podia entender a estranha providência que permitiu que José fosse arrancado ao seu amor de pai, mas viu a glória de Deus quando contemplou o rosto daquele filho como governador à mão de um grande rei e como o preservador de sua própria vida e da de uma grande nação.

E talvez seja assim na sua vida. Você diz: “Eu não entendo porque Deus deixou este meu ente querido ser levado. Eu não entendo por que Ele permitiu que a aflição me açoitasse. Não entendo estes caminhos tortuosos pelos quais o Senhor está-me guiando. Não entendo por que foram desmantelados os planos que eu achava tão bons. Não entendo por que as bênçãos de que eu preciso tanto estão demorando para vir.”  Você não tem que entender todos os caminhos de Deus, todas as maneiras como Ele dirige a sua vida. Deus não espera que você entenda tudo. Você não espera que o seu filhinho entenda tudo: quer apenas que confie em você. Um dia verá a glória de Deus nas coisas que não entende hoje.

Lettie B. Cowman, em “MANANCIAIS NO DESERTO”

FINAL FELIZ

Sou um grande fã de filmes. Meus preferidos são filmes de aventura, de ação. Alguns filmes marcam pela emoção que causam nas pessoas e, em mim, mais ainda. Um dos momentos mais emocionantes dos filmes é quando o mocinho está para ser pego e, em cima da hora, surge alguém ou algo que o livra quando tudo parecia perdido.

Em quase todos os filmes de ação o herói se safa no último momento. Essa é “quase” uma certeza matemática para os cinéfilos. Entretanto, na vida real não é tão certo que os heróis sejam salvos em cima da hora. Muitas vezes eles são pegos, são maltratados e, muitas vezes, mortos. Quando um perigo da vida real acerca alguém, não sabemos se todos serão “felizes para sempre”. Os homens esperam um livramento, mesmo que no último momento, mas muitas vezes, ele não vem.

É nessa circunstância em que encontramos o rei Davi ao escrever o Salmo 13. Na verdade, esse salmo é uma oração a Deus em um momento de angústia. Talvez, mais do que isso. Esse salmo é um modelo de reação dos servos de Deus em momentos de angústia, quando o socorro perece demorar a vir. É um movimento crescente das emoções e reações que levam o servo de Deus do “vale da sombra da morte” (expressão usada por Davi no Salmo 23) até a “sombra do Onipotente” (expressão utilizada pelo escritor do Salmo 91).

Nessa jornada, Davi passa por três fazes. A primeira delas é a angústia, sentimento perceptível nos dois primeiros versículos do Salmo 13. Nesse trecho, Davi pergunta quatro vezes “até quando?” ou “por quanto tempo?”, se dirigindo ao Senhor. Trata-se de uma pergunta feita por alguém que parece ter chagado em seu limite. Ele aguentou o quanto podia e quer saber quanto mais terá de suportar sem ter forças para tanto. Tais palavras refletem o desespero de quem não sabe se conseguirá se manter em pé diante da aflição. Ele olha para Deus e pergunta: “Por quanto mais tempo o Senhor me deixará nessa situação?”.

O contexto demonstra que Davi não crê, de fato, que o Senhor o tenha abandonado, mas que Ele está retardando sua atuação. É como se tivesse se esquecido de Davi e como se, desprezando-o, tivesse lhe virado o rosto como que zangado. O interesse de Davi não é saber por que o Senhor não o ama mais, mas até quando retardará sua libertação. Davi expõe diante de Deus, no v.2, a consequência dessa aparente demora perguntando ate quando ele lutará contra o que ele chama de “lamento diário no meu coração” .

Muita gente se perde nessa fase. O desespero as vence e elas caem em profunda depressão ou tomam atitudes mais destrutivas que benéficas, tanto para elas como para os outros. Mas Davi, nosso exemplo de servo que passa por problemas que não se resolvem, exibe mais uma atitude exemplar: a oração. Davi apresenta ao Senhor, nos vv.3 e 4, três pedidos. Os dois primeiros são: “olhe, por favor, e responda a mim”, desejando ser alvo da atenção especial do Senhor e ter sua oração atendida. Davi não pensa que Deus não o vê, mas deseja que o Senhor se compadeça dele e, diante da sua oração, atue agora, não com silêncio, mas com ação. Ele também pede “traga luz sobre mim, por favor”. Trata-se de um pedido de solução para as trevas em que se encontra; um clamor pela atuação de Deus livrando-o daquilo que o oprime. “Olhe”, “responda” e “traga luz” são os pedidos que revelam um servo que leva a Deus seus problemas por meio da oração sabendo que somente Ele pode responder os pedidos e dar fim à sua angústia.

Finalmente, a última fase da jornada de Davi é o descanso em Deus (vv.5,6). Três verbos expõem as ações de Davi, mesmo diante da circunstância desfavorável e persistente, no sentido de entregar completamente, não apenas o problema, mas também suas reações aos cuidados Senhor soberano e amoroso. Davi diz: “Eu, porém, confio na tua lealdade”. Ele confiava que as palavras de Deus eram verdadeiras e que Ele cumpriria o que prometeu, não importasse quão complicadas fossem as circunstâncias, não apenas por que vinham de uma boca que só diz a verdade e de mãos honradas que não quebram um compromisso assumido, mas também de um coração amoroso, benigno e compassivo. Davi continua dizendo “meu coração se alegra na tua salvação”. Como resultado de tal exultação, Davi diz a si mesmo “cante eu ao Senhor”. O motivo do louvor a Deus é surpreendente. No meio da situação difícil em que se encontrava, Davi vê o Senhor agindo no sentido de tratar-lhe bem.

Resumindo, a jornada de Davi o leva do desespero à oração e da oração ao descanso. Um modelo de esperança e de dependência no Deus altíssimo. A oração, a confiança, a observação e a lembrança daquilo que Deus fez e faz na vida dos seus filhos é um remédio contra a depressão mais poderoso do que qualquer remédio. Não se trata de autoajuda, mas da busca Daquele que é soberano sobre o universo e amoroso para com os seus. O “eu, porém” de Davi no início do v.5 demonstra o conhecimento pessoal de rei sobre o quanto os acontecimentos são fracos e reversíveis nas mãos Daquele cuja vontade nunca pode ser frustrada (Jó 42.2; Ef 1.11).

O cinema quase sempre mostra o mocinho se dando bem no último momento. Mas é conceito estreito de “se dar bem”. Contudo, a vida do servo de Deus prevê um “bem” que vai além de todas as situações. Independente do final, o crente deve sempre manter seus olhos Naquele que faz todas as coisas contribuírem para o benefício dos seus (Rm 8.28), mesmo quando os propósitos de Deus são misteriosos.

Portanto, acima de tudo, a “certeza matemática” dos que creram em Cristo é: “minha história, agora ou no futuro, terá o maior dos finais felizes”. A esperança da vida presente dos cristãos é: “Nós, sim, seremos felizes para sempre”!

PORTAL IGREJA BATISTA REDENÇÃO

A RAZÃO DA FÉ

Ser crédulo não é ser ingênuo. É um grande erro supor que a fé e a razão são incompatíveis. A fé e a visão são postas em oposição uma à outra nas Escrituras, mas, nunca a fé e a razão. Pelo contrário, a fé verdadeira é essencialmente racional, porque se baseia no caráter e nas promessas de DEUS.

Fé não é otimismo. Fé é uma confiança racional, uma confiança que conta com  o fato de que DEUS é digno de todo crédito. Por exemplo, quando Davi e seus homens voltaram a Ziclague, um terrível espetáculo os aguardava. Na sua ausência os amalequitas tinham saqueado sua aldeia, incendiado suas casas e levado cativas suas mulheres e crianças. Davi e os demais choraram até não ter mais força para chorar e então, na sua amargura, os homens cogitaram apedrejar Davi. Era uma crise séria, e Davi facilmente poderia ter-se deixado cair no desespero. Mas, em vez disso, lemos que Davi “se reanimou no SENHOR”. Esta era uma fé verdadeira. Ele não fechou seus olhos aos fatos, nem tentou criar sua própria auto-cofiança, ou dizer a si mesmo que se sentia realmente bem. Não. Ele se lembrou do SENOHOR seu DEUS, o DEUS da criação, o DEUS da aliança, o DEUS que prometeu ser o seu DEUS e colocá-lo no trono de Israel. À medida que Davi se recordava das promessas e da fidelidade de DEUS, sua fé crescia e se fortificava.

Assim, pois,  a fé e o pensamento andam juntos. A fé, se quiserem, pode ser definida assim: É insistir em pensar quando tudo parece estar determinado a nos oprimir e a nos colocar por terra. O problema das pessoas que têm sua fé abalada é que elas, ao invés de controlarem seus pensamentos, os seus pensamentos é que são controlados por alguma circunstância e, como se diz, elas passam a rodar em círculos. Isso é a essência da preocupação e do temor. Isso é ausência de racionalidade.

Uma grande parte das nossas dúvidas e temores provém de sombrias percepções do que seja a real natureza do Evangelho de JESUS CRISTO, a raiz para uma vida de fé é um claro, preciso e bem definido conhecimento de JESUS.

John R W Stott, em “CRER É TAMBÉM PENSAR”

A ARTE DE OUVIR

Períodos de silêncio entre orações são um privilégio e uma benção. Não entre em pânico quando houver uma calmaria – apenas ouça! A oração é uma conversa a dois com DEUS.

Hoje o silêncio e a paciência são artes perdidas. De alguma forma achamos que temos que falar com DEUS o tempo todo, e achamos que ELE tem que nos atender rapidamente; mas há coisas maravilhosas que DEUS nos quer dizer. ELE tem respostas às nossas perguntas, segredos que ELE quer partilhar conosco, e contudo O bombardeamos com o nosso “muito orar”. Esquecemo-nos de que DEUS está apenas esperando para nos dizer algo grandioso se tão somente LHE dermos a oportunidade.

Aprendemos a ficar quietos o tempo suficiente para DEUS nos dizer algo? É no silêncio que a nossa comunicação se torna um diálogo.

“Aquietai-vos e sabei que EU sou DEUS.” Sl 46

Evelyn Christenson, em “O QUE ACONTECE QUANDO AS MULHERES ORAM”

O RIBEIRO DE BESOR

Davi fez muitas coisas importantes em sua vida. Ele também fez muitas coisas insensatas em sua vida. Mas talvez a mais nobre tenha sido essa ação raramente discutida: ele honrou os soldados cansados no ribeiro de Besor (1 Samuel 30).

Em seu maravilhoso livro sobre Davi, Transpondo Muralhas, Eugene Peterson fala de uma amiga que às vezes assina suas cartas com “Um abraço no Ribeiro de Besor”. Eu pergunto quantas pessoas poderiam fazer o mesmo. Estão cansadas demais para lutar. Envergonhadas demais para reclamar. Enquanto outros declaram vitória, os cansados ficam sentados em silêncio. Quantos ficam sentados junto ao Ribeiro de Besor?

Se você estiver listado entre eles, aqui está o que você precisa saber: não há problema algum em descansar, JESUS é o seu Davi.

ELE luta quando você não pode. ELE vai aonde você não pode e ELE não fica nervoso se você ficar cansado. Não foi ELE quem fez o convite: “Venham comigo para um lugar deserto e descansem um pouco” (Mc 6:31)?

O Ribeiro de Besor abençoa o descanso.

O Ribeiro de Besor também adverte contra a arrogância. Davi sabia que a vitória era um presente. Lembremo-nos da mesma coisa. A salvação vem (como um egípcio no deserto) como uma agradável surpresa que aparece no caminho. Não obtida. Não merecida. Quem são os fortes para criticar os cansados?

Você está cansado? Tome fôlego. Precisamos de sua força.

Você é forte? Deixe o julgamento para os cansados. É preciso que você precise cair em cheio. E, quando cair, o Ribeiro de Besor é uma boa história para se conhecer.

Max Lucado, em “DERRUBANDO GIGANTES”

EXERCÍCIOS EXTRAS

Não devemos, portanto, ficar muito abatidos quando coisas inesperadas, pertubadoras e desestimulantes nos acontecem. Qual o sentido delas? Bem, significam simplesmente que DEUS, em SUA sabedoria, quer que cheguemos ao ponto que ainda não alcançamos, e está cuidando para que isso se realize.

DEUS talvez queira fortalecer-nos a paciência, o bom humor, a compaixão, a humildade ou a mansidão, dando-nos nesse momento alguns exercícios extras para praticarmos essas graças em situações especialmente difíceis. Talvez ELE queira anular em nós algumas  formas de orgulho e convencimento não percebidas. Talvez SEU propósito seja simplesmente nos chamar para mais perto DELE. Ou talvez DEUS esteja nos preparando para alguma forma de atividade de que até o presente momento não tenhamos noção.

Como podemos enfrentar estas situações desconcertantes, no entanto, se agora não podemos ver nelas o propósito de DEUS? Primeiramente, aceitando-as como vindas DELE e perguntando-nos que reações o Evangelho requer de nós. Em segundo lugar, buscando a face de DEUS especialmente acerca delas.

Se tomarmos estas duas atitudes nunca nos veremos completamente no escuro a respeito do propósito de DEUS quanto as nossas dificuldades. Seja qual for o plano de DEUS, de uma coisa podemos ter certeza – as tormentas nos são enviadas, no mínimo, para que nos mantenhamos humildes.

J.I. Parker, em “O CONHECIMENTO DE DEUS”.

FONTE DE MISERICÓRDIA

A atenção fixa e constante às promessas de Deus poderiam evitar as preocupações e ansiedades. Poderia manter a mente quieta e serena em qualquer mudança ou solavanco.

Os cristãos negam a si mesmos os mais sólidos confortos devido a descrença e o esquecimento das promessas do Senhor,pois não há situação tão desesperadora para a qual não exista uma promessa adequada e perfeitamente capaz de trazer alívio e paz.

O conhecimento das promessas contidas na Bíblia seria de grande valia para a oração. Com que segurança o cristão pode dirigir-se ao Pai, em Cristo, quando considera as repetidas afirmações de que suas preces serão ouvidas! Com que alegria pode apresentar os desejos de seu coração quando se lembra dos textos onde é prometida a misericórdia! E com que fervor e fé pode reforçar suas orações apoiando-se nas promessas feitas graciosamente e que se aplicam a seu caso!

Samuel Clark em “PROMESSAS DAS ESCRITURAS”.

VEJA OS PROPÓSITOS DE DEUS EM TUDO

“É o Senhor; faça o que bem lhe aprouver” 1 Sm 3:18

“Veja Deus em tudo, e Deus porá calma e colorido em tudo o que você vê!”

Pode ser que as circunstâncias da nossa dor não sejam removidas, que a sua condição permaneça inalterada, mas se Cristo, como Senhor e Mestre de nossa vida, for trazido para a nossa dor e sombra, Ele nos cingirá de alegres cantos de livramento. Vê-lO — e ter a certeza de que a Sua sabedoria não pode errar, Seu poder não falha, Seu amor não muda — é ser capaz de dizer, no meio de qualque situação: “Se ando em meio à tribulação, tu me refazes a vida” Sl 138:7

Nada, senão ver a Deus em tudo, pode tornar-nos pacientes com o que nos molesta e atribula. Tais circunstâncias serão, então, apenas instrumentos para a realização dos propósitos sábios e amorosos de Deus para conosco, e nos encontraremos por fim dando graças por eles no íntimo, pela bênção que trouxeram à nossa vida.

Lettie B. Cowman, em “MANANCIAIS NO DESERTO”

DEPOIS DA VAZANTE VEM A ENCHENTE

“Por que hei de andar eu lamentando…?” Sl 42:9

Você pode responder a esta pergunta, meu irmão? Você pode achar alguma razão para explicar por que está tantas vezes lamentando, em vez de estar-se alegrando? Por que ceder a pensamentos sombrios? Quem lhe disse que a noite nunca terminará? Quem lhe disse que o inverno do seu descontentamento vai passar de geada a geada, de neve, gelo e granizo, a neve ainda mais espessa, e a tempestades de desespero?

Você não sabe que depois da noite vem o dia, que depois da vazante vem a enchente, que depois do inverno vêm a primavera? Então, nutra esperanças! Tenha sempre esperança, pois Deus não nos desampara.

C. H. Spurgeon, em “PREPARADO PARA O COMBATE DA FÉ”

ENTREGANDO OS PÃES

“Quantos pães vocês têm?, perguntou Jesus.Sete, responderam eles. Ele ordenou à multidão que se assentasse no chão. Depois de tomar os sete pães e dar graças, partiu-os e os entregou aos seus discípulos, para que os servissem à multidão; e eles o fizeram. Tinham também alguns peixes pequenos; Ele deu graças igualmente por eles e disse aos discípulos que os distribuíssem. O povo comeu até se fartar. E ajuntaram sete cestos cheios de pedaços que sobraram. Cerca de quatro mil homens estavam presentes.” Mc 8:5-10

Jesus já sabia quantos pães havia. Então, por que Ele perguntou? Será que foi para que os discípulos lembrassem, décadas depois, quão pouco eles tinham, mas que com Jesus, um pouco vira o bastante? Quantos discípulos havia? Doze. Quantos pães tinham Sete. Nem eles mesmos tinham o suficiente. Mas, eles possuíram a maior fonte de riqueza que existe – fé em Jesus.

Se tivermos ao menos isso, tudo que temos nas mãos Dele vira tesouro. E, já notou como Jesus deixou tudo nas mãos dos discípulos? Ele poderia ter contado como Ele criou o trigo, como, através de nutrientes, solo, fotossíntese, Ele dera vitalidade às plantas. Ele podia ter falado como tudo aquilo era Dele mesmo. Mas, Ele permitiu os discípulos “possuírem” os pães para que pudessem decidir confiar Nele. Quando Jesus coloca algo em nossas mãos, Ele realmente deixa conosco. Podemos decidir o que fazer. Mas, se virarmos para Jesus e O deixarmos pegar naquilo que de fato sempre foi e sempre será Dele, não há como prever o que pode acontecer. Mas, uma coisa podemos ter certeza – tudo que Jesus toca começa a ter um destino eterno. Confie em Jesus e confie seus pães a Ele.

PORTAL HERMENÊUTICA

UMA VÍRGULA

A vida parece não ter mais sentido, pois tudo o que você sonhava pareceu desmoronar diante dos seus olhos. Você diz: “É o fim”, mas eu te digo que Deus põe uma vírgula no teu ponto final! Onde você pensa que é o fim é apenas um pedaço da história.

Na Bíblia vemos a história de diversos homens e mulheres de Deus que erraram em achar que podiam determinar o momento de Deus para suas vidas.

Elias, no monte Carmelo:

Elias, um profeta magnífico, após uma grande vitória numa luta contra 450 profetas de Baal, fica apavorado diante de uma mulher e pede para morrer. Ele determina seu próprio fim.

“Ele, porém, foi ao deserto, caminho de um dia, e foi sentar-se debaixo de um zimbro; e pediu para si a morte, e disse: Já basta, ó SENHOR; toma agora a minha vida.” 1 Reis 19.4.

Elias tinha tudo para ser vitorioso naquele momento, mas ele era humano como eu e você, entrou em depressão e pediu a morte.
Elias ficou deprimido, dormia constantemente e foi preciso Deus mandar seu anjo para encorajá-lo.
Em 1Rs 19.7 o anjo acorda Elias e diz: “Levanta-te e come, porque te será muito longo o caminho.”

Deus alimenta seu filho como uma criança carente. Ele não te deixará necessitado. Lembre-se, Deus cuida da sua necessidade.
Ele diz: Levanta-te! Se tem algo que incomoda Deus é pessoa desesperançosa. Diante das dificuldades devemos ter coragem e perseverança.

Agar e Ismael:

Leia atentamente Gênesis 21.16-18:

“E foi assentar-se em frente, afastando-se à distância de um tiro de arco; porque dizia: Que eu não veja morrer o menino. E assentou-se em frente, e levantou a sua voz, e chorou.
E ouviu Deus a voz do menino, e bradou o anjo de Deus a Agar desde os céus, e disse-lhe: Que tens, Agar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do menino desde o lugar onde está.
Ergue-te, levanta o menino e pega-lhe pela mão, porque dele farei uma grande nação.”

Que momento triste, Agar, errante no deserto tem fome e sede, e percebe o desfalecimento de seu filho Ismael. Ela colocou o menino debaixo de uma árvore e se afastou, pois não queria ver seu filho morrer.
Acho que qualquer um de nós faria como Agar, e colocaríamos um “ponto final nessa história”, mas Deus colocou uma vírgula.
Mais uma vez vemos Deus dizendo: “Ergue-te ! Levanta-te!” – A promessa de Deus vai ser cumprida na sua vida, mesmo que pareça que Deus se confundiu ou desistiu de você. Deus fará se cumprir a promessa! Espere a vírgula de Deus e esqueça esse o ponto final.

Elizeu e seu moço:

Leia agora 2 Reis 6.15-17

“E o servo do homem de Deus se levantou muito cedo e saiu, e eis que um exército tinha cercado a cidade com cavalos e carros; então o seu servo lhe disse: Ai, meu senhor! Que faremos?
E ele disse: Não temas; porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.
E orou Eliseu, e disse: SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o SENHOR abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu.”

A diferença de um homem de fé para um homem descrente é relatada neste texto. O ajudante viu a casa rodeada por um grande exercito inimigo. Pensou: “Ponto final. Acaba aqui a nossa fabulosa história”.
Eliseu, o profeta, não se assustou nem um pouco. Imagino que ele lentamente foi ao banheiro, escovou os dentes e penteou os cabelos, vez sua devocional e depois foi até a porta, e orou pelo seu ajudante:
“Deus, abre os olhos espirituais deste menino carnal!”
Quando seus olhos foram abertos, o jovem viu cavalos e carros de fogo. Poder de Deus. A promessa de Deus se cumpria:

“O anjo do Senhor acampa ao redor dos que o temem, e os livra.”

Você teme à Deus? Então qual o motivo desse ponto final. Deus vai transformar seu ponto final em vírgula!

Portal Ministério Apostólico Atos Dois

Anúncios

Eventualmente, é possível que alguns visitantes vejam

OBEDIÊNCIA SANTA

DEUS pode falar conosco de diversas maneiras, mas, SEU método preferido é SUA Palavra, nunca despreze um ensinamento da Palavra que lhe vem às mãos em um momento de apreensão, sofrimento, dor ou dúvida.

Mas, se endurecermos a nossa consciência e o nosso coração, e noa recusarmos a obedecer quando ELE falar, perderemos a benção da direção, do conforto, do conselho ou da solução desejada.

ELE fala conosco para nos ajudar, nos conduzir, nos manter longe dos problemas, nos dar respostas e para que saibamos o que é certo e o que é errado.

A maioria de nós tende a ser teimosa e obstinada na nossa maneira de querer as coisas, mesmo que a nossa maneira não esteja funcionando. No entanto, podemos aprender a ser mansos para com DEUS e nos tornarmos sensíveis à SUA voz e à direção do ESPÍRITO SANTO.

Naturalmente existem diretrizes gerais que se aplicam a todos a todo tempo, para estas coisas não precisamos consultar a DEUS, pois já sabemos que enganar, mentir, roubar, oprimir, por exemplo, são atitudes abomináveis para DEUS. Não é sobre o óbvio que estamos falando aqui, mas, sobre aquelas situações que, sinceramente, não sabemos como agir e queremos a direção de DELE.

Se, realmente, queremos ouvir a voz de DEUS, devemos prestar atenção à SUA voz e manter os ouvidos propensos a ouvir os sons da SUA direção. Devemos obedecer se quisermos ouvi-LO com freqüência. A nossa sensibiliade à SUA voz pode ser aumentada pela nossa obediência ou diminuída pela nossa desobediência.

Não aposte que alguma coisa vai funcionar sem a aprovação de DEUS. Mas, creia que funcionará se ELE aprovar. JESUS é o autor e consumador da nossa fé (Hb 12:2), aprendi que ELE não é obrigado a concluir o que ELE não começou.

Joyce Meyer, em “COMO OUVIR A VOZ DE DEUS”

ORE SEM PRESSA

No livro de Eclesiastes lemos: “Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de derribar, e tempo de edificar; tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de estar calado, e tempo de falar; tempo de guerra, e tempo de paz…”

Mas, curiosamente, não se diz que há um tempo para sonhar, nem que há um tempo para orar. Isso não foi esquecimento do Autor. Tais citações não são feitas porque em TODO O TEMPO devemos sonhar e orar.

Sonho e oração devem ser tempo presente em cada coração, mesmo no tempo de chorar e no tempo de rir…mesmo no tempo do encontro, quanto no tempo da perda…..em tempos de guerra e em tempos de paz.

SONHE SEM TEMPO, ORE SEM PRESSA.

Neuma Fernandes

RELAXE!

Veja a terceira parte do salmo 46(v 10), descrevendo a depressão profunda, DEUS diz:

“Aquietai-vos e sabei que EU SOU DEUS”. A palavra aquietai-vos foi acrescentada pelos tradutores; creio que é aceitável porque dá coerência ao texto. No entanto, ela talvez tire um pouco do impacto do termo singular “pare”. O hebraico usado aqui, raphah, significa “relaxe”! O ponto é que, se continuar correndo, se debatendo, você nunca vai descobrir a tenda de poder que DEUS pode construir à sua volta.

Isso é tudo que O PAI quer. Você não pode atravessar sozinho as tempestades; é demais para você. Quando vai compreender que as nevascas em nossa vida são permitidas por DEUS? Essas tempestades ameaçadoras são destinadas a nos deter, a nos fazer subir em SEUS braços, a nos forçar a depender DELE.

Talvez esteja na hora de dizer: “SENHOR, eu te amo. Obrigado. Por meio da tua força, não serei abalado. Vou deixar de me atormentar, vou deixar de me esforçar. Não temerei. Vou agarrar-me a TI. Vou contar contigo para construir aquela tenda ao meu redor e proteger-me das tormentas. Obrigado por ter-me dado, em amor, esta nevasca. Obrigado porque não posso ver sequer a distância nem o alvo. Admito a minha fraqueza. Preciso da tua força.”

Você compreende que a todo instante você pode chamar por DEUS e ELE responde? ELE  diz: “Vou ajudá-lo”. É uma ajuda muito presente.

A outra coisa que observo no poder de DEUS é a predominância! É uma tenda que pode se estender sobre qualquer situação – de fato é feita sobre medida para a sua situação. Nada é maior que o poder de DEUS. Isso não é maravilhoso?!

Charles Swindoll, em “PERSEVERANÇA”

AMOR POR VOCÊ

Como eu sei que Deus está comigo? E se tudo isto for uma brincadeira? Como você sabe que é Deus quem está falando? A escuridão terrível e abafada da dúvida. A mesma escuridão que você sente quando senta em um banco polido de uma capela funerária e ouve o obituário de uma pessoa que você ama mais que a vida. A mesma escuridão que você sente quando ouve as palavras, “O tumor é maligno. Temos que operar.” A mesma escuridão que cai sobre você quando percebe que acaba de perder o temperamento… de novo. A mesma escuridão que você sente quando percebe que o divórcio que você nunca quis chegou ao final. A mesma escuridão na qual Jesus gritou, “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Palavras apropriadas.

Porque quando duvidamos, Deus parece estar muito longe. Mas nestas horas é exatamente quando Ele  estar mais perto. Através do tempo, apesar do povo de Deus esquecer seu Deus muitas vezes, Deus não se esqueceu deles. Ele manteve Sua palavra. Deus não desistiu. Ele nunca desiste. Quando Moisés disse, “Eis-me aqui, envie Arão,” Deus não desistiu. Quando os israelitas libertados preferiam ser escravos no Egito ao invés de leite e mel, Deus não desistiu. Quando Arão estava fazendo um falso deus exatamente ao mesmo tempo em que Moisés estava com o verdadeiro Deus, Deus não desistiu. Quando somente dois dos dez espias consideravam que o Criador era poderoso o suficiente para libertar a criatura, Deus não desistiu. Quando Sansão contou o segredo a Dalila, quando Saul riu de Davi, quando Davi conspirou contra Urias, Deus não desistiu.

Quando a palavra de Deus foi esquecida e os ídolos humanos brilharam, Deus não desistiu. Quando os filhos de Israel foram levados cativos, Deus não desistiu. Ele poderia ter desistido. Ele poderia ter virado as costas. Ele poderia ter ido embora da desordem desprezível, mas Ele não o fez. Ele não desistiu. Quando Ele se tornou carne e foi vítima de uma tentativa de assassinato antes de ter dois anos de idade, Ele não desistiu. Quando o povo de sua própria cidade tentou empurra-LO de um penhasco, Ele não desistiu. Quando seus irmãos O ridicularizaram, Ele não desistiu. Quando Ele foi acusado de blasfema por pessoas que não temiam a Deus, Ele não desistiu. Quando Pedro O adorou à Ceia e O maldisse à fogueira, Ele não desistiu. Quando as pessoas bateram em Seus rosto, Ele não bateu de volta. Quando os espectadores o insultaram, Ele não os insultou. E quando as mãos humanas prenderam as mãos divinas em uma cruz com cravos, não foram os soldados que seguraram firme as mãos de Jesus. Foi Deus quem as segurou firme. Porque aquelas mãos eram as mesmas que trouxeram luz dentro da escuridão terrível e abafada. Elas vieram fazer isso de novo.

Então, da próxima vez que a dúvida entrar, escolte-a para fora. Fora para o monte. Fora para o Calvário. Fora para a cruz onde, com sangue santo, a mão que carregou a chama, escreveu a promessa, “Deus desistiria do Seu próprio Filho antes de desistir de você.”

Portal Resgatepleno

UMA FUNDA DE FÉ

DEUS está lhe dizendo neste momento – ‘Tudo que peço a você são cinco pedras lisas e uma funda de fé. Eu passo a controlar daí por diante. Você não precisa usar a armadura de outrem. Basta confiar em mim e vou despojá-lo, deixando-o apenas com sua fé. Depois conquistarei a vitória e receberei a glória. Quanto a você….confie em mim.”

Isso é fé. Fé é acreditar que Deus trará a existência coisas que ainda não existem.

Fé significa acreditar que DEUS é quem diz ser e que fará o que prometeu.

Fé quer dizer obedecer à DEUS quando não tenho certeza dos resultados.

Fé é confiar em DEUS quando tudo dentro de mim pede uma prova cabal…..

Raramente vemos a palavra “impossível” na Bíblia. Mas aqui DEUS está dizendo

“Sem fé é impossível agradar à DEUS.”

Charles Swindoll, em  O MISTÉRIO DA VONTADE DE DEUS

A REAÇÃO CORRETA

DEUS tem destreza e sabedoria para transformar os projetos mais diabólicos no mais sublime bem, se e quando nossa reação for correta. Esta é uma das mais significativas lições da história de José. Ele reconheceu este fato e pôde perdoar a seus irmãos.

Quando entendemos que não há segundas causas operando na vida de um cristão e que o DEUS que sustenta “todas as coisas por SUA palavra poderosa” nunca permitirá que SEUS filhos sejam afligidos sem socorro; então poderemos perdoar com facilidade todas as ofensas e ofensores. Quando entendermos que até o Mal está sob o comando de DEUS e nada pode fazer sem a SUA permissão, então declararemos que “o meu futuro está em SUAS mãos”, e não nas do maligno.

Três vezes em quatro versículos, José declara que a origem de seu cativeiro provém da vontade de DEUS. Ele pôde ver DEUS por detrás de segundas causas. A reação correta transformará o mal intencionado em bem, não uma vez, mas sempre, em qualquer situação. O ensinamento de Romanos 8:28 se comprovará verdadeiro em todas as circunstâncias quando aprendermos que tudo provém de DEUS. Uma vez que este versículo encerra uma verdade absoluta, nada pode sair errado em um Universo que DEUS controla, porque este Universo serve aos propósitos divinos.

Paul Billheimer em “O MISTÉRIO DA PROVIDÊNCIA DIVINA”.

PRIMEIRO ORAÇÃO, DEPOIS AÇÃO

Pode ter certeza disso: coisas acontecem quando não planejamos, mas tão somente oramos. Deus espera que sejamos ordeiros. Ele espera que administremos bem nosso tempo, que nos disciplinemos, que façamos planos. Mas se pudéssemos aprender a orar primeiro e depois planejar, como seriam diferentes os nossos lares, nossos trabalhos, nossa vida! Talvez, só talvez, estejamos planejando em uma direção e a vontade de Deus esteja em outra direção. Deus pode dizer: “Pare com tudo! Dê a volta e siga por este caminho, esta é a minha vontade para você.”

Mesmo que estejamos ligados à vontade de Deus e saibamos que estamos indo na direção certa, podemos estar prosseguindo a passo de lesma. No entanto, Deus diz:  “Olhe você vê apenas um décimo do que Eu tenho para lhe dar. Há nove décimos que você não está vendo, sobre os quais você nada sabe.”

Deus quer que nos coloquemos à disposição Dele, e que digamos antes de começar a planejar e agir: “Senhor, diz-me o que queres que eu faça, aonde queres que eu vá, como desejas que eu faça isso, como esperas que eu lide com isso”. Então nosso Deus onipotente, com toda a abundância do céu em Suas mãos, derramará Seu poder sobre nós. Em vez de seguir nossos planos pequeninos, Deus quer abrir o céu e nos inundar. É emocionante.

Trabalhamos, nos esforçamos, lutamos e nos planejamos até ficarmos tptalmente exaustos e, muitas vezes, desapontados, aniquilados, desesperançados, mas nos esquecemos de nos ligar na fonte de poder, essa fonte de poder é a oração – “A ORAÇÃO FERVOROSA DO JUSTO É PODEROSA E EFICAZ.” Tg 5:16

Evelyn Christenson, em “O QUE ACONTECE QUANDO AS MULHERES ORAM”

MARAVILHOSA GRAÇA

GRAÇA surge de tantas formas diferentes, que tenho dificuldade em defini-la. Estou pronto, contudo, atentar alguma coisa como definição de GRAÇA DIVINA.

GRAÇA significa que não há nada que possamos fazer para DEUS nos amar mais – nenhuma quantia de renúncia, nenhuma quantidade de conhecimento recebido em seminários e faculdades de teologia, nenhuma quantidade de cruzadas em benefícios de causas justas. E a GRAÇA significa que não há nada que possamos fazer para DEUS nos amar menos – nenhuma quantidade de racismo ou orgulho, pornografia ou adultério, ou até mesmo homicídio. A GRAÇA significa que DEUS já nos ama tanto quanto é possível um DEUS infinito nos amar.

A Bíblia fala  de um homicida, adúltero que ganhou reputação como o maior rei do Antigo Testamento, um “homem segundo o coração de DEUS”. E de uma igreja dirigida por um discípulo que praguejou e jurou que não conhecia JESUS. E de um missionário recrutado das fileiras dos torturadores de cristãos.

Se DEUS pode amar esses tipos de pessoas, talvez, apenas talvez, ELE também possa amar pessoas como eu. Não posso moderar minha definição de GRAÇA porque a Bíblia me força  torná-la o mais abrangente possível. DEUS é o DEUS de toda GRAÇA. E GRAÇA significa que não há nada que eu possa fazer para DEUS me amar mais, e nada que eu possa fazer para DEUS me amar menos, Significa que eu, até mesmo eu que mereço o contrário, sou convidado a tomar o meu lugar à mesa da família de DEUS.

Philip Yancey, em “MARAVILHOSA GRAÇA”

ALEGRE PACIÊNCIA

“Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração” Rm 12:12

“Alegrai-vos…” Qual a razão da alegria? A razão é o DEUS ao qual servimos e adoramos. O DEUS único, mega-super-hiper-todo-PODEROSO. O DEUS que não é apenas Criador, mas é AMOR acima de tudo. DEUS que é a expressão máxima da VERDADE. Por nos amar pessoalmente e individualmente, não nos abandona; por outro lado, nos abençoa fartamente segundo nossas reais necessidade, não de acordo com nossas vaidades, ilusões ou merecimentos (pois nada merecemos). Devemos nos alegrar por ELE, que é o verdadeiro alimento de nossas almas e é maior que qualquer problema, dificuldade e impossibilidade humana.

“Sede pacientes…” Lá vem aquela palavrinha chata – paciência. Mas, temos que nos conscientizar de uma vez por todas que DEUS quer que tenhamos paciência em detrimento da ansiedade. ELE deseja que sejamos pacientes em vez de agitados e apressados. A Palavra de DEUS adverte: “O coração ansioso deprime o homem” Pv 12:15. Ser paciente na tribulação não é nada fácil (DEUS sabe disso!!!), mas se nos lembrarmos quem é DEUS e de Seu AMOR por cada um de nós, conseguiremos deixar em Seu Altar nossas mais dolorosas aflições, abraçando a esperança, negando o desespero.

“Perseverai na oração” – Essa parte do versículo deixa implícito que orar em meio a problemas, dores e escuridão, não é coisa fácil, é exaustivo. Mas, DEUS espera de nós fé, que é demonstrada na nossa “teimosia” em permanecer diante DELE, confiando NELE, esperando NELE. Oração não é só pedir, é também ouvir. Como ouvimos DEUS? Na Sua Palavra, especialmente. Orar também é louvar a DEUS, com cânticos, palavras e atitudes, dentre elas, a paciência exercida com alegria. AMÉM!!!!!

Ao DEUS TRINO, TODA A HONRA E GLÓRIA!

Neuma Fernandes

VIDA APÓS A PROVAÇÃO

Marcamos a vida das pessoas pela forma como resistimos às pressões, por causa da calma em meio ao caos e da confiança no momento cercado de incertezas. Apenas uma coisa dar-nos esse tipo de equilíbrio: a fé genuína.

A fé que crê em Deus quando a vida não faz sentido algum, que se alegra com o desconhecido, faz-nos aceitar as nossas limitações, acredita que, mesmo com toda desordem, Deus nos recompensará.

A fé é a diferença entre o sucesso e o fracasso; a vitória e a derrota; a paz e o caos; a coragem e a covardia; a vida e a morte.

Por que manter a fé? Porque é a moeda corrente do Reino de Deus, e nada pode ser realizado no Reino sem ela.

Por que manter a fé? Porque ela garante que haverá vida após a provação.

Myles Munroe, em “RE-DESCOBRINDO A FÉ”

APESAR DO SILÊNCIO

A fé em DEUS ativa o poder divino sobre a sua vida. Jesus recusou constantemente os pedidos para demonstrar sinais a fim de “provar” quem era. Isso acontecia porque tais requisições fariam com que a fé verdadeira não estivesse presente. E se houvesse falta de fé, pouco do poder de Deus seria manifestado.

Em Mateus 13:58 é dito que, quando Cristo visitou Nazaré, Ele não fez ali muitas maravilhas, por causa da incredulidade deles. O poder do milagre estava presente, mas a descrença do povo abateu-o. A falta de fé fechou o acesso ao divino poder de operar milagres.

Sendo assim, Deus tem o poder de agir e também o de não agir. A fé não depende de ver a ação celestial. A fé confia no Senhor, independente da ação divina. A fé acredita em meio ao silêncio divino.

Myles Munroe, em “RE-DESCOBRINDO A FÉ”

AUTOLIMITAÇÃO

Deus não nos pede para fazer sacrifícios simplesmente pelo sacrifício em si (isso chama-se masoquismo). Ele nos estimula.Jesus apresentou a estrutura do incentivo:“Busquem em primeiro lugar o Reino de Deus e a Sua justiça, e todas as coisas lhes serão acrescentadas” Mt 6:36. Ou seja, fazer continuamente o que envolve atos de autolimitação.

Enquanto o grande homem de Deus G. K. Chesterton estava elaborando toda essa ideia de sacrifício, chegou a uma conclusão radical:

“Cada ato de vontade é um ato de autolimitação. Desejar  uma ação é desejar uma limitação. Nesse sentido todas as ações são ações de sacrifício de si mesmo. Quando você escolhe algo, você rejeita tudo o mais.”

E quando nos autolimitamos em favor dos planos de Deus, a promessa forte e simples (de acordo com Jesus) é que nossos sacrifícios serão honrados por Deus no tempo Dele, da maneira Dele. Foi assim que Jesus viveu Sua vida, e é assim que deseja que vivamos a nossa.

Kenny Luck, em “SONHE”

A SÓS COM DEUS

“Eu me dedico à oração” Sl 109:4

Muitas vezes, em nossos momentos de meditação, estamos numa verdadeira pressa religiosa. Quanto tempo dedicamos a ele diariamente? Não é verdade que podemos registrá-lo em minutos?

já vimos alguém com muito espírito de oração que não passasse muito tempo em seus aposentos, à parte? Diz Whitefield: “Dias e semanas passei prostrado no solo, em oração, silenciosa ou audível”. “Caia de joelhos, e cresça assim”, é a linguagem de outro servo de Deus, que conhecia por experiência o que afirmava.

Dizem que nenhuma grande obra no campo da literatura ou da ciência foi executada por alguém que não amasse o estar a sós. E podemos apontar como princípio elementar da vida espiritual, que quem alcança um grande crescimento na graça, sempre toma tempo para estar muitas vezes, e por longo tempo, a sós com Deus.

Lettie B. Cowman, em “MANANCIAIS NO DESERTO”

ABENÇOE A SI MESMO

“Os que me procuram me acham” Pv 8.17

Nossas motivações estão erradas se pensamos que lemos a Bíblia e oramos para agradar a Deus ou impedi-Lo de ficar furioso conosco. Imagine Deus te dizendo: “Você pensa que quando lê a Bíblia está Me fazendo mais feliz. Serei feliz se você ler ou não ler. Não, (veja seu nome aqui), se você ler a Bíblia, você será mais feliz. Se você orar, você será feliz. Se você der, você receberá”.

Cada coisa simples que Deus nos diz para fazer é para que nós sejamos abençoados. Ele não nos pede para nos devotarmos, estudar e orar por causa Dele, mas por nossa causa. Seguí-Lo, adorá-Lo, serví-Lo, conhecê-Lo a fundo, não fará de Deus um ser mais alegre e contente. NOS tarrá felicidade, plenitude e auto-conhecimento.

A vida abençoada é escolha nossa. Perguntas do tipo: “Porque estamos aqui?”, “O que é a vida, afinal?”, “Para que tudo isso?”, só recebem resposta satisfatória dentro de nós quando voltamos nossas atenções para Jesus e Sua Palavra.

Joyce Meyer, em “A PALAVRA, O NOME, O SANGUE”