* DIGNO DE TODA HONRA

outono-712x264

No Salmo 9, o salmista faz quatro declarações de louvor ao Senhor. Primeiro, ele diz “Senhor, quero dar-te graças de todo o coração e falar de todas as tuas maravilhas” (v.1). Em seguida, em “ti quero alegrar-me e exultar e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo” (v.2). Depois, “cantem louvores ao Senhor que reina em Sião; proclamem entre as nações os seus feitos” (v.11). Por fim, ele declara “para que, junto às portas da cidade de Sião, eu cante louvores a ti e ali exulte em tua salvação” (v.14).

É mesmo um lindo salmo, com dois aspectos essenciais que devem marcar qualquer atitude de louvor.

O primeiro aspecto tem a ver com o fato de o salmista louvar a Deus pelo que Ele é. Veja as declarações que Deus é eterno (v.7), é rei (v.7,11), é juiz (v.8,16) e inspira confiança (v.10). São atributos que impôs à alma daquele homem o desejo ardente de louvar, de cantar as maravilhas do Senhor.

Não menos importante, no segundo aspecto, o salmista louva a Deus pelo que Ele realiza. O salmista reconhece os feitos de Deus em dois níveis: pessoal e coletivo. No nível pessoal, louva a Deus, pois o Senhor defende o seu direito e a sua causa (v.4); destroi os inimigos (v.3); é refúgio para os oprimidos (v.9); não abandona aqueles que o buscam (v.10b); pede conta do sangue derramado (v.12); vê o sofrimento que os outros lhe afligem (v.13).

No nível coletivo, o salmista percebe um Deus que repreende as nações (v.5); que arrasa o inimigo totalmente (v.6); julga o mundo com justiça (v.8); derrama sobre as nações as armadilhas que elas mesmas preparam (v.15); não esquece os pobres, nem frustra a esperança dos necessitados (v.18); domina sobre todo o poder humano (v.19, 20).

Não devemos esquecer que independente de Deus fazer qualquer coisa para nós, Ele é Deus e merece nosso louvor. Num mundo cristão em que a barganha passou a ser uma marca essencial na relação entre Senhor e servo, as pessoas estão comumente referindo-se a Deus apenas pelo que Ele faz.

Mas, um nível superior de louvor acontece quanto está em jogo não um benefício recebido, mas o reconhecimento da majestade de Deus. A percepção da nossa pequenez ante a grandeza do Senhor. 

Louvar a Deus pelos seus atributos é suplantar a base relacional baseada somente na troca. Para o salmista os dois aspectos são essenciais. Ele não deixa de reconhecer os feitos de Deus, mas o faz acompanhado de um louvor genuíno de gratidão por aquilo que Deus é. Que seja também nossa prática.

REFLEXÕES CRISTÃS

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s