* VOCÊ TEM SEDE DE QUE?

157914566

Na hora certa somos lembrados de que aquele a quem oramos entende nossos sentimentos. Ele conhece a tentação. Ele se sentiu desanimado. Ele teve fome, sentiu sono e se cansou. Ele sabe como nos sentimos quando o despertador toca. Ele sabe como nos sentimos quando nossos filhos querem coisas diferentes ao mesmo tempo. Ele balança a cabeça, compreensivo, quando oramos irados. Ele se compadece quando lhe dizemos que há mais coisas para fazer do que jamais poderá ser feito. Ele sorri quando confessamos nosso cansaço.

Mas somos gratos a João por optar incluir o versículo 28 no capítulo 19 de seu evangelho. Lemos simplesmente isto: “Tenho sede”.

Não era o Cristo que estava com sede. Era o carpinteiro. E aquelas são palavras de humanidade no meio da divindade.

Essa frase bagunça o esboço do seu sermão. As outras seis declarações estão mais “de acordo”. São clamores pelos quais poderíamos esperar: o perdão aos pecadores, a promessa do paraíso, o cuidado de sua mãe, até mesmo apelar a Deus dizendo: “Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?” é uma coisa poderosa (Mt 27.46).

Mas “tenho sede”? Bem na hora em que havíamos entendido tudo. Bem na hora em que a cruz estava embalada e definida. Bem na hora em que o manuscrito estava concluído. Bem na hora em que havíamos inventado todas aquelas bonitas e claras palavras terminadas em “ação”, como santificação, justificação, propiciação e purificação. Bem na hora em que colocamos nossa grande cruz dourada sobre nossa grande torre dourada, Ele nos lembra que “a Palavra tornou-se carne” ( Jo 1.14).

Ele quer que nos lembremos de que ele também era humano. Ele quer que saibamos que ele também conheceu o zumbido do enfado e o cansaço que surge com os dias longos. Ele quer  que nos lembremos de que nosso desbravador não usava colete à prova de balas, nem luvas de borracha, nem uma armadura impenetrável. Não, Ele abriu o caminho da nossa salvação por entre o mundo que você e eu enfrentamos diariamente.

Ele é o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, e a Palavra da  vida. A poderosa salvação e o Príncipe da paz.

Mas há momentos em que somos restaurados ao nos lembrar de que Deus se fez carne e habitou entre nós. Nosso Mestre soube o que significava ser um carpinteiro crucificado que teve sede. Portanto, Ele sabe e compreende infinitamente cada uma das nossas necessidades.

Max Lucado, em “SEU NOME É SALVADOR”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s