* PARA SER DE DEUS

10354089_855362351161011_6275243399757694015_n

Para ser de Deus, basta amar o silêncio, ouvir as estrelas e ensurdecer aos tambores marciais.

Para ser de Deus, basta desatar o nó da gravata, soltar os ombros e relaxar o nervo gripado. Por que viver amedrontado? Ninguém precisa temer o vigia incontestável dos religiosos.

Para ser de Deus, basta juntar-se por dentro – seja lá como for –   não exorcizar as sombras da alma, admitir erros e tratar as ambiguidades como dádiva. Por que viver sob o jugo da culpa?

Para ser de Deus, basta não acordar com medo de algum castigo divino. O amor não se melindra com facilidade. Caminhar perto de quem nos acolhe na dor e nos incentiva na alegria, deixa a sensação de que qualquer viagem vale a pena. Se um todo-poderoso tudo sabe, e ainda assim insiste em emprestar o ombro, não é seu poder, mas o despojar de si que fascina.

Para ser de Deus, basta se dispor a viver diferentes circunstâncias com delicadeza: aparar as unhas do velhinho, participar de mutirão, andar a pé, cantar parabéns, chorar em corredor de hospital, comer buchada na casa de matuto e beber água na cabaça.

Para ser de Deus, basta curtir pequenas nostalgias. Quando abraçamos aquela saudade marota que insiste em não morrer, trazemos até o presente o passado bem vivido. Deus nos interpela a não segurarmos o fio da meada da tristeza. O Deus-invisivel também nos quer celebrando a plenitude da beleza nas ausências, inclusive as irreconhecíveis.

Para ser de Deus, basta que as preces sejam poucas e vagarosas. Orar é emudecer diante do mistério. Prece dialoga. Para conversar com o sagrado, a intimidade contemplativa deve ser tão secreta quanto o diário da adolescente.

Para ser de Deus, basta gostar dos diferentes dons que a vida proporciona: vinho tinto, cântico gregoriano, Bach, Chico Buarque, Catulo da Paixão Cearense, caldo de cana, banho de chuva, tarde fria, Martin Luther King, Vinicius de Moraes, cocada e Machado de Assis.

Para ser de Deus, basta manter-se sensível à lenta sístole e diástole do pulmão universal. Na cruel corrida pela sobrevivência do mais forte, sobrou esplendor, que só os humanos conseguem festejar: o lampejo do vaga-lume, o trabalho incessante da abelha, o voo do colibri, a ferocidade do tigre. Quem mais no universo percebe uma valsa no vai e vem das marés?

Para ser de Deus, basta se manter humano, sem nunca abandonar o desafio de se humanizar.

Soli Deo Gloria

Pr Ricardo Gondim – http://www.ricardogondim.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s