* DE AGORA EM DIANTE…

“De agora em diante, vivam o resto da sua vida aqui na terra de acordo com a vontade de Deus.” (1Pe 4.2)

O apelo vem de Pedro: “De agora em diante, vivam o resto de sua vida aqui na terra de acordo com a vontade de Deus”. Não seria o primeiro esforço nessa direção que os crentes da Ásia Menor iriam fazer.

O esforço deve começar agora e não depois, hoje e não amanhã. O esforço deve terminar não na semana que vem, no mês que vem, no ano que vem, mas no último sopro de vida. Por não sabermos quantos anos de vida nos restam, também não sabemos durante quanto tempo teremos o prazer de viver de acordo com a vontade de Deus. Pode ser curto, pode ser longo. O alvo é fazer a vontade do Pai de agora até a hora da nossa morte. No entanto, se alguém tropeçar, não há motivo para se desesperar ou pensar em desistir, porque “temos Jesus Cristo, que faz o que é correto; ele nos defende diante do Pai” (1Jo 2.1).

Porque a vontade de Deus é muito mais elevada que a nossa, não será fácil fazer a vontade Dele dia após dia, ano após ano. Deus sabe disso, e Paulo também sabia: “Porque o que a nossa natureza quer é contra o que o Espírito quer” (Gl 5.17). Então, fazer a vontade de Deus só é possível se crucificarmos a vontade da nossa natureza humana.

Se setenta vezes eu deixar de fazer a vontade de Deus, setenta vezes vou resolver: “De agora em diante vou viver de acordo com a vontade de Deus”!

Elben M. Lenz César, e, “REFEIÇÕES DIÁRIAS COM OS DISCÍPULOS”

* PRE-OCUPAR

“Portanto eu lhes digo: Não se preocupem com sua própria vida,
quanto ao que comer ou beber; nem com seu próprio corpo, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante que a comida, e o corpo
mais importante que a roupa?”
Mt 6:25

Pense na palavra “preocupar”. Ela vem literalmente do conjunto
do prefixo “pre” com o verbo “ocupar”. Ou seja, é aquilo que ocupa,
que apodera-se da nossa atenção previamente. É o que nos ocupa
antes de qualquer outra coisa. O que pre–ocupa sua mente é o que
vem primeiro. O que pre–ocupa seu coração é o que tem prioridade.
Significa o que é mais importante. O que deveria ser primeiro em
nossos corações? Jesus. O que deveria ter prioridade nas nossas
mentes? Deus.

Mas, o que pre-ocupa, o que tem prioridade, muitas
vezes são justamente estas coisas, o que vamos comer, o que vamos
vestir, a nossa saúde, etc. O que sufoca a semente do Evangelho são os cuidados com esta vida (Mt 13:22). Deus não nos explica o que Ele vai fazer, nem como Ele vai cuidar de nós. Ele apenas promete que vai.

Sua maneira de confirmar que Ele vai fazer isso é de nos mostrar quem Ele é. Nosso Pai revela de todas as maneiras o quanto Ele nos ama, sobretudo no sacrifício de seu filho Jesus. Isso deve ser o suficiente. Não é o que Deus vai fazer que precisamos saber – é quem Ele é.

Quando você compreende quem Deus é, você saberá o que Ele vai fazer para você e não terá motivo de se preocupar. Procure Deus, procure conhecê-lo pessoalmente e você saberá o que Ele vai fazer para você.

DEVOCIONAL ILUMINALMA

 

* A MEDIDA DA FÉ

“Entrando ele no barco, seus discípulos o seguiram. De repente,
uma violenta tempestade abateu-se sobre o mar, de forma que as
ondas inundavam o barco. Jesus, porém, dormia. Os discípulos foram acordá-lo, clamando: “Senhor, salva-nos! Vamos morrer! Ele perguntou: ‘Por que vocês estão com tanto medo, homens de pequena fé?’ Então ele se levantou e repreendeu os ventos e o mar, e fez-se completa bonança. Os homens ficaram perplexos e perguntaram: Quem é este que até os ventos e o mar lhe obedecem?”
Mt 8:23-27

Aquela tempestade deve ter sido aterrorizante. Mateus a descreveu com uma palavra peculiar, a palavra grega “seismos”, que
normalmente se usava para um terremoto. Mateus só usou esta palavra em outras duas ocasiões na vida de Jesus, na hora da sua morte na cruz (27:54) e na ressurreição (28:2).

Doze homens que pessoalmente viram Jesus curar leprosos, paralíticos e diversos outros doentes, ainda ficaram apavorados pela fúria daquelas ondas. Como ficou a fé deles? Ruiu! Jesus admoestou os discípulos pela sua falta de fé. Mesmo assim, ele parou o vento e as ondas. Se alguém lhe disser que Deus não lhe ajudou ou não lhe curou porque sua fé é pequena demais, mande aquele pessoa voltar a escutar este relato de Mateus.

A tempestade que passa pela sua vida pode ter deixado um ente
querido na cadeia, na UTI ou até no cemitério. Pode cheirar de
álcool ou se chamar de divórcio ou câncer. Seja qual for, pode
parecer que engoliu a sua fé. Mas, se você tiver ao menos o
suficiente para chamar o nome de Jesus, ele escutará.

O poder de Jesus não é medido pelo tamanho da nossa fé, mas, pelo amor, sem limites que ele tem por nós. O mesmo amor que o levou a salvar doze homens apavorados em alto mar o levará a lhe socorrer, seja qual for o tamanho do seu sofrimento, sua dor ou sua angústia. Chame Jesus. Confie nEle. Quanta fé é necessário? Basta o suficiente para chamar o nome dEle. Faça isso. Não há nenhuma tempestade que Jesus não pode comandar.

Quem sabe se na passagem da tempestade você não descobre uma
fé muito maior do que aquela que você podia antes imaginar?

http://www.hermeneutica.com.br

 

* SEMPRE INABALÁVEIS

Ao longo dos anos, percebi que a vida espiritual é bem parecida com minhas circunstâncias durante um terremoto que sofri. Se não construirmos um alicerce sólido, seguindo padrões de construção firmes e comprovados, seremos incapazes de permanecer seguras e ilesas durante os tremores e as agitações que ocorrem dentro e em torno de nós. Afinal, quem nunca passou por um abalo?

Tudo parece instável em nosso mundo: as condições climáticas, os governos, o trabalho, os relacionamentos, a saúde, o casamento, os filhos, a mente e os sentimentos — a lista não tem fim. Mas a verdade é que, apesar de tais coisas estarem acontecendo ao nosso redor e conosco, podemos ter mais controle sobre nossa vida do que a maioria das pessoas acredita ser possível. Para isso, porém, é necessário que nossa vida espiritual seja edificada sobre um alicerce sólido.

Em primeiro lugar, não fomos criados para edificar nossa vida sozinhas. Não fomos projetados para assumir tudo com as próprias mãos, a fim de moldar a vida conforme nossa vontade. Nossa vida não foi planejada para andar fora de controle. Tampouco fomos formados para viver com medo constante. Pelo contrário, cada um de nós foi criado para estar sob o controle de Deus.

Fomos concebidos para entregar nossa vida ao Senhor e convidá-lo a nos tornar tudo o que Ele nos criou para ser. Fomos projetadOs para caminhar com Ele em todas as situações, desfrutando da paz que excede todo o entendimento. É possível estabelecer nossa vida sobre uma fundação tão firme que, não importa o que esteja acontecendo ao redor, não seremos abalados.

Stormie Omartian, em “GUERREIRAS DE ORAÇÃO”

* MEDO, MEDO DE QUE?

De que temos medo?

Há pessoas com medo de viver, preferindo entregar-se à doença, ao desânimo, ao desamor, à preguiça, à inutilidade. O medo tem um poder destruidor. O medo se assemelha a um gás paralisante. Quem está com medo não age.

Outro deve ser o nosso caminho.

Devemos escolher o caminho da coragem.

Então, se este é o nosso claro desejo, precisamos dar alguns passos:

  • Devemos refletir sobre as perdas acumuladas por causa do medo. O inventário poderá doer, mas pode ser libertador. Ver o que o medo nos tirou pode mostrar que devemos reformular nossa vida.
  • Revejamos nossa condição; se de lamento, ele pode ser transformada em canto; se nós sentimos confortados, nossa vida pode ser sacudida, logo preparada para novos voos.
  • Memorizemos a verdade bíblica segundo a qual não pode haver medo onde há o amor de Deus, nos seguintes termos: “No amor não há medo; o amor que é totalmente verdadeiro afasta o medo. Portanto, aquele que sente medo não tem no seu coração o amor totalmente verdadeiro, porque o medo mostra que existe castigo.Nós amamos porque Deus nos amou primeiro” (1João 4.17-19).
  • Decidamos que vamos lutar contra o medo e nos empenhar para enfrentar os nossos medos, em busca de águas profundas.

http://www.prazerdapalavra.com.br

* VENTRE DE MILAGRES

“De um ventre já amortecido saiu uma posteridade tão numerosa como as estrelas do céu, e inumerável como a areia que está na praia do mar.” [Hebreus 11.12]

Foi Geazi, o empregado do profeta Eliseu, quem lhe informou que a mulher com a qual ele se hospedava não tinha filhos, “e seu marido é velho” (2Rs 4.14).

Apesar deste obstáculo, um ano depois a sunamita e seu marido tiveram um filho, graças à intervenção de Deus.

Não é a primeira nem a última vez que um homem idoso torna-se pai por graça de Deus.

Antes desta experiência, Abraão, já amortecido, como dizem Paulo e o autor da Epístola aos Hebreus, gerou a Isaque (Rm 4.19; Hb 11.12). Ele tinha então 100 anos (Gn 21.5).

Depois da sunamita e seu marido velho, foi a vez de Zacarias e Isabel. Ambos eram “avançados em dias”, e ela era estéril. A oração deles foi ouvida e o casal deu à luz a João Batista (Lc 1.5-25).

Marido velho e mulher estéril não são obstáculos suficientes para barrar os desígnios do Senhor. Deus fez questão de mostrar isso através da história: as três mães de Israel eram estéreis (Sara, Rebeca e Raquel) bem como a mãe de Sansão (Jz 13.2), a mãe de Samuel (1Sm 1.5) e a já citada Isabel.

Sara era estéril quando o Senhor disse repetidas vezes que a descendência de Abraão seria tão numerosa como o pó da terra (Gn 13.16), as estrelas do céu (Gn 15.5) e a areia na praia do mar (Gn 22.17).

No caso de Ana, depois do primogênito Samuel, consagrado ao Senhor, ela ainda teve três filhos e duas filhas (1Sm 2.21).

Você acha que tem algo que DEUS não possa fazer?

DEVOCIONAIS PARA TODAS AS ESTAÇÕES

 

* EQUILÍBRIO CÓSMICO

Quando nós oramos pelo resultado de uma luta ou de uma consulta médica, o pensamento que geralmente passa pela nossa cabeça é que o evento já está decidido de um jeito ou de outro. Eu acredito que isso não é razão para interrompermos nossas orações.

O fato certamente está decidido – em certo sentido, ele foi decidido “antes de existir a Terra”. Mas uma das coisas levadas em conta para decidi-lo e, portanto, uma das coisas que o ocasionou, pode ser a oração que estamos fazendo. Então, apesar disso parecer chocante, eu concluo que nós podemos ao meio dia fazer parte das causas de um acontecimento das 10 horas da manhã.

A imaginação, sem dúvida, tenta levantar todos os tipos de truques nesse ponto. Ela questionará: “Então se eu parar de orar, Deus pode voltar atrás, e modificar o que já aconteceu?” Não. O evento já aconteceu e uma das causas foi o fato de que você está fazendo perguntas em vez de orar.

Ou pode perguntar: “Se eu começar a orar, Deus pode voltar atrás e modificar o que já aconteceu?” Não. O evento já aconteceu e uma das suas causas foi sua presente oração.

Os acontecimentos dependem das minhas escolhas. Meu livre-arbítrio contribui para o equilíbrio cósmico. Essa contribuição é feita na eternidade ou “antes de existir a Terra”; mas a minha consciência da contribuição me alcança em um ponto específico do presente.

C. S. Lewia, em “MILAGRES”